Resolução regulamenta o teletrabalho no âmbito do TST - #Legislação / #Jurídico https://www.google.com/appserve/mkt/p/ABMBUQNF_ZZQIgLv7lqQNcSgvY2XHQqooDnzPrT-XURcaujJY2Rd0BUOgSoxn22cRrroXseTT_hpoLyOgzvCuSVAYFdcAPDvpAuF9gLgS074wgL4
 
INC EmpreendedorINC Pautas..editora

 

MASTER PROFESSIONAL - Crie 5 produtos altamente lucrativos

Após 10 ANOS e 40.000 títulos publicados,
creio já ter feito o bastante pelo empreendedorismo,
ao menos por este canal.
Este site está à venda, completo, com domínio e clientes.
Entre em contato com sua proposta

 

INCorporativa Empreendedor

Gerenciador Financeiro
móvel
       
#Legislação / #Jurídico Bookmark and Share    
Resolução regulamenta o teletrabalho no âmbito do TST

A decisão do TST de passar a permitir que seus servidores optem pelo teletrabalho tem como fundamento a alteração do artigo 6º da CLT pela Lei 12.551/2011


  Views: 10651 - incorporativa.com.br - reprodução permitida com link para fonte

14/02/2012 - Por Sônia Mascaro Nascimento 

Seguindo atual tendência de discussão sobre trabalho à distância e em domicílio e sobre o uso de aparelhos de informática pelos empregados, foi aprovada em 1º de fevereiro de 2012, resolução administrativa que regulamenta o teletrabalho no âmbito do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

A resolução foi adotada em consonância com a recente inserção do processo digital na Justiça do Trabalho, que possibilitou que os servidores tenham acesso aos autos remotamente, permitindo que seu trabalho seja realizado mesmo que à distância. Essa nova realidade fez necessária a criação de regulamento específico para a prestação deste tipo de serviço no âmbito do tribunal.
 
A decisão do TST de passar a permitir que seus servidores optem pelo teletrabalho tem como fundamento a alteração do artigo 6º da CLT pela Lei 12.551/2011, que passou a equiparar o trabalho realizado no estabelecimento de empregador, o trabalho realizado em domicílio e o trabalho à distância. Dessa maneira, nosso ordenamento reconhece, agora expressamente, relações de emprego estabelecidas por meio de teletrabalho.
 
A Justiça do Trabalho sempre foi pioneira na adoção de novas tecnologias em seu cotidiano, buscando meios de tornar o processo mais acessível, célere e mais próximo à nossa realidade. Desta vez não foi diferente. A resolução prevê uma série de normas regulamentando o teletrabalho.
 
Além de dispositivos que deixam claro que é de livre deliberação dos gabinetes a implementação do teletrabalho, que limitam a 30% o percentual de funcionários em trabalho à distância e que exigem que a capacidade de funcionamento dos setores com atendimento ao público seja plenamente mantida, há alguns que merecem especial atenção.
 
Paradigmáticos são os artigos 3º, 4º e 6º, que demonstram a opção do TST por não controlar a jornada dos funcionários por meios eletrônicos. Dessa forma, determinam que apenas será exigido do servidor o cumprimento de metas estabelecidas em seu gabinete, que deverão ser 15% maiores que as metas dos servidores que prestam seu serviço presencialmente. Dessa forma, o único meio de comunicação eletrônica que se exige é o email, a ser checado uma vez por dia, independente do horário.
 
Esta regulamentação é paradigmática, pois pode servir como exemplo para empregadores do que seria a estrutura ideal para implantação do teletrabalho em suas empresas. Nos moldes como feitos pelo TST, não há controle direto de jornada, já que não é exigida nenhuma carga horária específica de trabalho, cabendo ao trabalhador apenas o cumprimento de suas metas e prazos. Se transplantados para a iniciativa privada esses padrões de trabalho à distância, não há o que se falar em tempo de serviço do trabalhador remoto e, consequentemente, não haverá o que se falar em direito às horas extras deste trabalhador.
 
Portanto, as normas estipuladas nesta resolução devem servir de base para que empresas e empresários resguardem-se perante a própria Justiça do Trabalho em relação à adoção do teletrabalho em seus estabelecimentos, servindo de parâmetro de regulamentação do trabalho à distância de seus empregados.
 
* Sônia Mascaro Nascimento é mestre e doutora em Direito do Trabalho pela USP, membro do Instituto Ítalo-Brasileiro de Direito do Trabalho, consultora-sócia de Amauri Mascaro Nascimento e Sônia Mascaro Advogados, ex-conselheira da OAB/SP e ex-presidenta da Comissão Trabalhista da OAB/SP, consultora e advogada trabalhista e autora diversos livros e artigos jurídicos – soniamascaro@amaurimascaro.com.br



Mais:
  06/07/2016 - 3 passos para a vida financeira dos sonhos
  29/06/2016 - Para economizar é preciso gastar!
  15/06/2016 - Pare de reclamar!

 

 

 

 

px

artigos

 
 
Luciano Antonio Serrano
Liderança Praticada na Azul Linhas Aéreas
 
Allan Alves
10 dicas para aumentar a sua empregabilildade
 
   
- Mais vistos - Ver todos

 

 

 

 
 
       
 
  Pautas INCorporativa   PAUTAS INCorporativa
Assessorias de comunicação publicam seus releases e sugestões de pauta.
O site divulga os textos nas redes sociais e o distribui a jornalistas cadastrados. Saiba mais
 
  incorporativa negócios   INCorporativa NEGÓCIOS
Desenvolvemos sua publicação empresarial - jornais, revistas, informativos - Saiba mais
 
 
Noticias e Artigos  
Administração
Artigos Diversos
Artigos dos leitores
Comércio Exterior
Editoriais
Empreendedorismo - MPE
Entrevistas
Especiais
Eventos. Cursos.
Finanças e Economia
Franchising
Legislação / Jurídico
Mídias/Redes Sociais
Marketing, publicidade, Marcas
 
 
 
 
 
Artigos refletem única e exclusivamente a opinião de seus autores. Todo o conteúdo divulgado decorre de informações advindas das fontes mencionadas, sendo, portanto, de responsabilidade exclusiva da fonte ou do autor, não cabendo à INC Comunicação ou à Revista INCorporativa responsabilidade por citações, teor, exatidão ou veracidade do conteúdo, produto ou serviço divulgado. Indicação de publicações são apenas para divulgação, não sendo avaliados por este veículo de comunicação.
 
       
 
   

 

 

INCorporativa, Revista INCorporativa, Revista Corporativa são Marcas Registradas - 2007-2018.
Esta publicação online é gratuita, uma cortesia da 
© Editora INCorporativa - Comunicação e Produção Editorial

Reprodução de conteúdo permitida com link para a fonte.