Sebrae prevê 4 milhões de Empreendedores Individuais - #Entrevista https://www.google.com/appserve/mkt/p/ABMBUQNF_ZZQIgLv7lqQNcSgvY2XHQqooDnzPrT-XURcaujJY2Rd0BUOgSoxn22cRrroXseTT_hpoLyOgzvCuSVAYFdcAPDvpAuF9gLgS074wgL4
 
INC EmpreendedorINC Pautas..editora

 

MASTER PROFESSIONAL - Crie 5 produtos altamente lucrativos

Após 10 ANOS e 40.000 títulos publicados,
creio já ter feito o bastante pelo empreendedorismo,
ao menos por este canal.
Este site está à venda, completo, com domínio e clientes.
Entre em contato com sua proposta

 

INCorporativa Empreendedor

Gerenciador Financeiro
móvel
       
#Entrevista Bookmark and Share    
  17/05/2012 - Brasileira empreendedora do Vale do Silício lança livro
  06/12/2011 - Daniel Isenberg: 'O segredo de empreender está na ambição...
  20/10/2011 - Índices de sobrevivência das MPE
1 2  3  4  5   
Sebrae prevê 4 milhões de Empreendedores Individuais

Presidente Luiz Barretto afirma que ampliação do Supersimples estimulará formalizações e que empresas devem investir em inovação


  Views: 7838 - incorporativa.com.br - reprodução permitida com link para fonte

 10/10/2011 - Mariana Flores/asn

Há 39 anos atuando no apoio aos micro e pequenos empreendimentos brasileiros, o Sebrae tem como principal missão atualmente levar inovação para dentro das micro e pequenas empresas (MPE). Segundo o presidente do Sebrae, Luiz Barretto, o objetivo da instituição é mostrar aos empreendedores que eles devem adotar uma nova atitude empresarial e incorporar a cultura da capacitação permanente no dia a dia da empresa. “Não é só o funcionário, o trabalhador, que precisa se atualizar; a gestão empresarial, principalmente na MPE, também precisa de atualização constante”, afirma. 

Em entrevista à Agência Sebrae de Notícias, o presidente destaca que a inovação é um fator importante para elevar o valor agregado dos produtos e serviços comercializados pelas MPE, o que pode ajudar a aumentar a contribuição dos pequenos negócios à geração de riquezas no País. Responsáveis por mais de 70% dos empregos gerados em 2011, elas contribuem com cerca de 20% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil. O Sebrae vai investir mais de R$ 780 milhões em três programas que têm como foco a inovação – Sebraetec, Agente Local de Inovação e Sebrae Mais. A expectativa é aumentar a participação das MPE no PIB, à medida que crescer a produtividade nos pequenos negócios. 

O presidente comentou ainda a ampliação dos benefícios do Simples Nacional, regime tributário diferenciado para empreendedores individuais, micro e pequenas empresas. Com os novos tetos de faturamento do Supersimples, a expectativa do Sebrae é de estímulo ao crescimento dos pequenos negócios e de aumento das formalizações, principalmente dos Empreendedores Individuais. Desde a criação do programa EI, foram legalizados mais de 1,6 milhão de trabalhadores por conta própria. Segundo Barretto, em 2012, devem ser formalizados mais 700 mil trabalhadores, e, até 2014, o número pode chegar a 4 milhões.

ASN - Quais os principais avanços para as micro e pequenas empresas na modificação do Simples Nacional, aprovada nesta semana pelo Senado?

Completamos quatro anos do regime do Supersimples. Temos o que comemorar. Tínhamos 1,3 milhão de empresas no antigo Simples e passamos a ter 5,5 milhões no Supersimples. Isso já é a expressão forte de como ele foi positivo. Aquele temor dos estados e municípios de perda de arrecadação não se confirmou. Os principais impostos cresceram acima de 300% nesses quatro anos. Agora, conseguimos atualizar em 50% as faixas da microempresa e da pequena empresa e elevamos o teto do EI. Esse percentual corrige a inflação no período em torno de 25% e já projeta até 2014 a inflação. Isso significa um estímulo ao crescimento. Mas, ainda temos questões na área tributária a serem trabalhadas. Precisamos enfrentar a batalha com os estados que, para fazer a substituição tributária, estão tirando os benefícios do Supersimples. A gente tem que fazer esse debate. Não fizemos agora porque queríamos primeiro corrigir o teto, que já era um consenso. Mas há temas que precisamos discutir para continuar melhorando o ambiente. Há ainda uma agenda importante a ser trabalhada no Congresso. 

ASN - Temos hoje mais de 1,6 milhão de empreendedores individuais formalizados em menos de dois anos e meio de programa. O que explica o sucesso do programa Empreendedor Individual e qual a meta de formalização do Sebrae para os próximos anos?

O EI é o maior programa de formalização do País. Agora estendemos a faixa do EI - o teto de enquadramento passou de R$ 36 mil para R$ 60 mil - o que vai aumentar a formalização. A meta é de 700 mil formalizações para o ano que vem. A gente calcula que possa chegar em 2014 com um volume de 3,5 a 4 milhões de empreendedores individuais formalizados. Você tem um primeiro momento em que há um estoque maior, mas, agora, a gente não quer pensar só no esforço de aumentar o número de formalizados, mas dar sustentabilidade aos negócios dos 1,6 milhão que já se formalizaram. Queremos que estejam preparados para enfrentar o mercado e sobreviver. Para isso, vamos testar se o SEI – Sebrae Empreendedor Individual (programa que oferece soluções específicas para esse público) - é de fato uma boa solução para ajudar o empreendedor a ser mais competitivo no mercado e crescer. O EI quer ser microempresa e, quem sabe, uma pequena empresa no futuro. 

ASN - As micro e pequenas empresas são responsáveis por mais de 70% dos novos empregos criados em 2011. No entanto, respondem por apenas 20% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Como elevar essa baixa contribuição à produção de riquezas?

Historicamente esse setor sempre foi gerador de emprego e renda. O exemplo mais claro disso foi durante a crise de 2008 e 2009. Fundamentalmente, foi por causa desse setor que o Brasil superou a crise melhor que outros países. Em relação a aumentar o valor agregado e a participação no PIB, há uma luta permanente nossa. O Brasil está abrindo oportunidades com a Copa e as Olimpíadas e com as grandes intervenções na área de infraestrutura. São esses eventos que vão possibilitar esse crescimento. Mas aposto que, se atualizarmos esse dado - levantado pelo Sebrae em 1991, com referência a 1985 - certamente vamos superar esses 20%. O aumento dessa participação está ligado à intensificação do trabalho do Sebrae em relação à sua clientela, com o tema da inovação. Precisamos ter uma ação coordenada para que esse setor continue crescendo, gerando emprego e renda, mas que possa ter participação no PIB mais significativa. 

ASN - Qual a importância da inovação para os micro e pequenos negócios e como desmistificar a ideia de que o conceito de inovação está restrito a grandes ações e que demanda investimentos muito elevados?

A gente tem que trabalhar fortemente para não ficar só no feijão com arroz. As micro e pequenas empresas precisam criar valor e o tema da inovação é importante, não se trata só de inovação tecnológica, mas de gestão, de busca de mercados, de ampliar o valor agregado de seus produtos. Isso vale para toda a cadeia. De um lado há que se trabalhar uma questão da cultura. Não servem mais aqueles paradigmas que serviam para a MPE, de que “meu pai fazia assim, meu avô fazia assim, eu sei fazer na prática”. Isso é importante como atitude empresarial, mas, hoje o mundo está cada vez mais competitivo e com velocidade tecnológica. O empreendedor tem que incorporar uma cultura do conhecimento, do treinamento permanente, da capacitação permanente. Não é só o funcionário, o trabalhador que precisa se atualizar, a gestão empresarial, principalmente na MPE, também precisa se atualizar. O Sebrae vai investir R$ 780 milhões nos próximos três anos com o Sebraetec, o ALI e o Sebrae Mais. Os três programas juntos são mecanismos de distribuição desse tema da inovação. 

ASN - Qual a importância dos cursos disponibilizados pelo Sebrae e como os empreendedores podem acessá-los?

Estamos segmentando todo nosso trabalho de atendimento. O Sebrae agora tem claro que tem cinco grandes públicos (EI, microempresas, pequenas empresas, pequenas propriedades rurais e candidatos a empresários) e que precisa segmentar as soluções para cada um deles. Todos são importantes, mas têm características diferenciadas. O Empreendedor Individual tem um perfil que exige um tipo de atendimento e de soluções. Desenvolvemos soluções para dar uma atenção especial a ele. E temos um segmento hoje que representa de 7% a 10% do total, que é a pequena empresa, e que às vezes não reconhece mais o Sebrae como um grande parceiro e estamos fazendo um trabalho de reaproximação. São aqueles segmentos que já criaram suas empresas há mais de dois anos e necessitam enfrentar dilemas de competição, acessar novos mercados. Mas estamos oferecendo o que o Sebrae faz de melhor. Há hoje uma carteira de programas e soluções disponíveis, até mesmo no site da instituição, que é customizado, sinaliza em que categoria o empreendedor está. Para cada tipologia do estágio empresarial há um conjunto de soluções. A maioria dos cursos tem um grande subsídio e uma quantidade enorme deles é gratuita. 

ASN - O Sebrae identificou 930 oportunidades de negócios para as micro e pequenas empresas em função da Copa do Mundo FIFA 2014. Como a instituição vai atuar daqui em diante para ajudar os empreendedores a realmente aproveitarem essas possibilidades de negócios?

Agora temos um trabalho regional, depois que fizemos um grande mapeamento nacional. Elencamos nove segmentos que são os mais propícios a ter um desenvolvimento com as oportunidades que devem ser geradas por esse evento esportivo. Há três em especial: o turismo e a produção associada ao turismo, a construção civil, e a tecnologia da informação e comunicação. Agora, cabe regionalmente ver como esses nove segmentos se desenvolvem em cada uma dessas 12 cidades-sede. Vamos ver o que pode será feito em torno da obra de um aeroporto, por exemplo, ou, na relação com os estádios, que setores podem ser desenvolvidos. Como a gente pode ajudar a desenvolver negócios nesses territórios. Vamos fazer rodadas de negócios com micro e pequenas empresas e com as grandes empresas. O Sebrae será o elo entre elas. No fundo, o que a gente quer é aumentar os mercados das micro e pequenas empresas. 

ASN - Por que o crédito é tão importante para as micro e pequenas empresas? Como o Sebrae pode ajudá-las a obter o recurso e saber utilizá-lo da melhor maneira?

O Sebrae não é banco, não substitui o papel do banco. O Sebrae socializa as informações. Temos alguns mecanismos tradicionais, como o fundo de aval, que auxilia na política de crédito. O fundo ajuda a dar as garantias para que possam ser concedidos empréstimos às micro e pequenas empresas. Quem procurar o Sebrae vai conhecer todas as linhas disponíveis dos bancos públicos e privados. A gente tem auxiliado os bancos a desenvolver políticas de inovação. O trabalho do Sebrae também é no pós-crédito, fazer com que a empresa utilize o crédito da melhor maneira possível. E, de outro lado, vamos informar sobre os mecanismos disponíveis no mercado para crédito. Nos últimos dez anos aumentou muito a oferta de crédito e o que precisamos é fazer o crédito chegar ao nosso cliente. 

ASN - Como o Sebrae pode contribuir para a redução da miséria, principal bandeira do governo da presidente Dilma Rousseff?

A responsabilidade de diminuir a miséria no país é uma responsabilidade não só do governo federal, mas de todos os governos estaduais e municipais e do conjunto da sociedade. O Sebrae tem se envolvido nisso. Acabamos de assinar um convênio com o Ministério do Desenvolvimento Social, que coordena esse grande programa do Brasil Sem Miséria. O nosso tema é o da inclusão produtiva, do desenvolvimento, do empreendedorismo. Nossa ideia é dar uma porta de saída e hoje temos mais de 100 mil bolsistas que já são Empreendedores Individuais. Vamos visitá-los para adaptar o Negócio a Negócio, um programa voltado para a microempresa, a esses empreendedores individuais. Vamos fazer oficinas, procurar as comunidades para gerar emprego e renda. E nos Territórios da Cidadania, aqueles territórios que têm baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), baixo desenvolvimento e grande nível de pobreza, vamos trabalhar fortemente nos próximos três anos, principalmente no norte e nordeste do País.




 

 

 

 

px

artigos

 
 
Luciano Antonio Serrano
Liderança Praticada na Azul Linhas Aéreas
 
Allan Alves
10 dicas para aumentar a sua empregabilildade
 
   
- Mais vistos - Ver todos

 

 

 

 
 
       
 
  Pautas INCorporativa   PAUTAS INCorporativa
Assessorias de comunicação publicam seus releases e sugestões de pauta.
O site divulga os textos nas redes sociais e o distribui a jornalistas cadastrados. Saiba mais
 
  incorporativa negócios   INCorporativa NEGÓCIOS
Desenvolvemos sua publicação empresarial - jornais, revistas, informativos - Saiba mais
 
 
Noticias e Artigos  
Administração
Artigos Diversos
Artigos dos leitores
Comércio Exterior
Editoriais
Empreendedorismo - MPE
Entrevistas
Especiais
Eventos. Cursos.
Finanças e Economia
Franchising
Legislação / Jurídico
Mídias/Redes Sociais
Marketing, publicidade, Marcas
 
 
 
 
 
Artigos refletem única e exclusivamente a opinião de seus autores. Todo o conteúdo divulgado decorre de informações advindas das fontes mencionadas, sendo, portanto, de responsabilidade exclusiva da fonte ou do autor, não cabendo à INC Comunicação ou à Revista INCorporativa responsabilidade por citações, teor, exatidão ou veracidade do conteúdo, produto ou serviço divulgado. Indicação de publicações são apenas para divulgação, não sendo avaliados por este veículo de comunicação.
 
       
 
   

 

 

INCorporativa, Revista INCorporativa, Revista Corporativa são Marcas Registradas - 2007-2018.
Esta publicação online é gratuita, uma cortesia da 
© Editora INCorporativa - Comunicação e Produção Editorial

Reprodução de conteúdo permitida com link para a fonte.