https://www.google.com/appserve/mkt/p/ABMBUQNF_ZZQIgLv7lqQNcSgvY2XHQqooDnzPrT-XURcaujJY2Rd0BUOgSoxn22cRrroXseTT_hpoLyOgzvCuSVAYFdcAPDvpAuF9gLgS074wgL4

ESTE SITE ESTÁ À VENDA

 

CONTATO


 
INC EmpreendedorINC Pautas..editora

 

MASTER PROFESSIONAL - Crie 5 produtos altamente lucrativos

Após 10 ANOS e 40.000 títulos publicados,
creio já ter feito o bastante pelo empreendedorismo,
ao menos por este canal.
Este site está à venda, completo, com domínio e clientes.
Entre em contato com sua proposta

 

INCorporativa Empreendedor

Gerenciador Financeiro
móvel
       
  Bookmark and Share    
#Artigos Diversos
Crônica do Corte de Cabelo

crônica

Este artigo foi visto 248 vezes

13/06/2017 - Luciano Antonio Serrano*


Foi logo após o almoço, numa tarde quente e nublada de Outubro. Necessitava aparar as madeixas que já estavam indecentes, para não dizer incomodante. Solicitei a um rapaz que vendia jornais que me indicasse um barbeiro, e antes que ele respondesse retruquei dizendo: “Um que não seja caro!”, e então sorrindo o jovem apontou para a próxima quadra da avenida. Mesmo desconfiando desse malicioso sorriso encaminhei-me ao local indicado, Salão Cristal. Ao me aproximar me dei conta da pequenez do local, mas senti certa nostalgia ao observar a cadeira, o barbeiro e a técnica de corte. Cumprimentei o profissional e seu cliente e passei a observar seu trabalho. Não sei se por desconfiança excessiva minha ou não, mas não gostei do barulho do corte da tesoura utilizada pelo barbeiro, que me soou um tanto quanto desamolada. Pode até ter sido neurose minha, mas quando algo não nos agrada, principalmente se estiver relacionado com algo relativamente duradouro como um corte de cabelo, é melhor ir embora. E foi o que fiz.

Após algumas outras indicações frustradas avistei um salão modesto onde um senhor trajando bata trabalhava na cabeleira de um senhor (que posteriormente constatei que na verdade era uma senhora). Cumprimentei a todos e solicitei o serviço. Foi-me indicada à cadeira ao lado da qual o barbeiro trabalhava, e quando estava me acomodando um jovem rapaz passou a me atender. Manias e desconfianças de lado, decidi encarar o desafio e permitir que o rapaz trabalha-se. Quando o mesmo ofereceu um corte clássico, logo retruquei estabelecendo os parâmetros e referências do corte desejado. Pronto, não falamos mais por um bom tempo, até que me acalmei e puxei conversa. Não demorou muito para perceber que o rapaz era novo de profissão, mas consegui ficar calmo quando o mesmo demonstrou atenção e profissionalismo, ao menos até a hora de passar A NAVALHA!!!

Foi instantâneo, voltei a minha tenra infância, quando tinha aproximadamente seis anos de idade, e meu amado Pai deu-me dinheiro para cortar cabelo num barbeiro que nunca tinha ido, próximo a nossa residência na cidade de São Paulo (mais precisamente na Vila Livieiro, divisa com São Bernardo do Campo), e junto com o dinheiro me deu uma lâmina de barbear (Gillette) daquelas antigas que parecem com uma lâmina de estilete, para evitar que me contaminasse com outra que já tivesse sido utilizada pelo barbeiro, em caso de corte. Até aqui nenhum problema, mas quando chegou à hora H de “fazer o pé do cabelo” eu não tive coragem de pedir para o barbeiro trocar a gillette e daí por diante foi só agonia, rezei o tempo todo para que não fosse cortado, mas por acaso do destino, ou não, fui cortado pela lâmina usada do barbeiro bem numa verruga que tenho na nuca. Fiquei mais pálido do que o talco que ele passou em mim, paguei o corte e sai o mais rápido possível de lá, mas quando estava voltando para casa não queria passar por covarde diante de meu Pai, então escondi a Gillette (pois poderia utilizá-la mais tarde para realizar alguma molecagem) e entrei em casa como se nada tivesse acontecido de errado. Mas mesmo me esforçando (parece que nessas horas todos os esforços para ocultar algo somente servem para trazer a tona a VERDADE) não consegui esconder o corte. Meu Pai, que parecia já saber de tudo como se tivesse me feito passar por um teste, ficou primeiramente chateado comigo, passando um grande sermão sobre o risco que corri, do perigo de não seguir sua orientação e de que ele só quer o meu bem, e depois quis ir ao salão tirar satisfação com o barbeiro.

Bem, voltando ao presente com todas essas recordações na cabeça, ficou difícil passar pela navalha sem ter que prender a respiração, e foi o que fiz. Quando já estava quase no fim, percebi que o rapaz, toda a vez que aproximava a navalha da minha carne também prendia a respiração! Graças ao bom senso o rapaz tinha colocado uma lâmina novinha na navalha e concluiu o serviço sem nenhum acidente. Agradeci e paguei o serviço com satisfação (apesar de gostar apenas de cortar o cabelo com minha irmã, que por sinal é uma excelente profissional) e fui embora tranqüilo e satisfeito.

 



Leia também:
  13/06/2017 - Liderança Praticada na Azul Linhas Aéreas
  13/06/2017 - A Arte de Questionar-se!
  13/06/2017 - Atitudes de Lider - Líder Multiplicador

 

 

 

 

px

artigos

 
 
Luciano Antonio Serrano
Liderança Praticada na Azul Linhas Aéreas
 
Allan Alves
10 dicas para aumentar a sua empregabilildade
 
   
- Mais vistos - Ver todos

 

 

 

 
 
       
 
  Pautas INCorporativa   PAUTAS INCorporativa
Assessorias de comunicação publicam seus releases e sugestões de pauta.
O site divulga os textos nas redes sociais e o distribui a jornalistas cadastrados. Saiba mais
 
  incorporativa negócios   INCorporativa NEGÓCIOS
Desenvolvemos sua publicação empresarial - jornais, revistas, informativos - Saiba mais
 
 
Noticias e Artigos  
Administração
Artigos Diversos
Artigos dos leitores
Comércio Exterior
Editoriais
Empreendedorismo - MPE
Entrevistas
Especiais
Eventos. Cursos.
Finanças e Economia
Franchising
Legislação / Jurídico
Mídias/Redes Sociais
Marketing, publicidade, Marcas
 
 
 
 
 
Artigos refletem única e exclusivamente a opinião de seus autores. Todo o conteúdo divulgado decorre de informações advindas das fontes mencionadas, sendo, portanto, de responsabilidade exclusiva da fonte ou do autor, não cabendo à INC Comunicação ou à Revista INCorporativa responsabilidade por citações, teor, exatidão ou veracidade do conteúdo, produto ou serviço divulgado. Indicação de publicações são apenas para divulgação, não sendo avaliados por este veículo de comunicação.
 
       
 
   

 

 

INCorporativa, Revista INCorporativa, Revista Corporativa são Marcas Registradas - 2007-2018.
Esta publicação online é gratuita, uma cortesia da 
© Editora INCorporativa - Comunicação e Produção Editorial

Reprodução de conteúdo permitida com link para a fonte.